terça-feira, 4 de agosto de 2009

"ADOPTE UM PADRE"

"“A vida dos sacerdotes sempre foi exigente. E nem poderia ser diferente, já que são chamados a continuar a missão de Cristo, o Bom Pastor. Em nossos tempos, porém, os desafios se multiplicam e exigem respostas sábias, decisões imediatas e constantes posicionamentos sobre os mais diversos temas. (…)”

“ADOPTE UM PADRE!
Dentre os sacerdotes que você conhece ou que actuam na Igreja, escolha um deles, e passe a rezar diariamente por sua santificação.

Ofereça sacrifícios para que ele exerça bem seu ministério.

De preferência, nunca lhe fale sobre isso, nem faça comentários a esse respeito com outras pessoas.

Os detalhes dessa “adopção” sejam conhecidos somente por você e pelo Bom Pastor. (…)

Fazendo isso, você estará respondendo a um apelo da Igreja, que constantemente nos recorda: ‘Todo o Povo de Deus deve incansavelmente rezar e trabalhar pelas vocações sacerdotais’. Sua resposta ao apelo de adoptar um padre determinado terá uma particularidade: você não estará rezando somente pelo clero em geral, mas por um padre com um nome e um rosto, o que, certamente, motivará ainda mais suas orações, jejuns e sacrifícios. (…)”

Dom Murilo S.R. Krieger, scj (Arcebispo de Florianópolis, Brasil)
"

In Padres Inquietos


Vagueava num dos Blogs por onde passo habitualmente quando me deparei com este Post "ADOPTE UM PADRE", achei muito interessante a ideia, como estamos no Ano Sacerdotal, e decidi partilha-la convosco.
Eu já "adoptei" o meu e tu?
Saudações Atentas....

3 comentários:

Ana Patrícia disse...

Gostei da ideia!!! Já adoptei o "meu"!
Abraço(*)

Anónimo disse...

Fleky

Por onde andarão aquelas tuas amigas de outros tempos? O gozo que me dava lê-las no teu antigo blog!
Que saudades da Virgulina Pureza, da Gostava dos Prazes e da Maria do Pau Ponteiro!
Sabes o que se passa com elas? Se acaso sabes alguma coisa, diz-lhes para escreverem. No blog também faz falta a boa disposição...
Truz-Truz

Anónimo disse...

gostei da parte que pede para não dizer nada a ninguém, nem ao próprio. Compreendo. Não vá o tal padre recusar a oração pela sua santificação.